quinta-feira, 27 de setembro de 2007

Season 2 - Episode 8 - 3ª Parte

Hoje estou de rastos.
Depois da chegada da Joanhinha, do concerto da Suzanne, da preparação do Workshop e do próprio Workshop...preciso mesmo de descanso....

quarta-feira, 26 de setembro de 2007

Tours, Expositions and Concerts - #6

Suzanne Vega

Ontem fui ver a Suzanne Vega no La Tulipe aqui em Montréal.
Cresci a ouvir Suzanne Vega muito por culpa de um grande amigo meu de infância.
Fiz uma pesquisa na net e curiosamente já passaram 17 anos desde que a vi a primeira vez no Dramático de Cascais. Durante muitos anos foi o concerto da minha vida.
Não tenho palavras para o que assisti ontem. O concerto de Cascais ficou a milhas.
Em primeiro lugar a sala. Pequena. A zona de "plateia" ´é como mostra a foto. Mesas e bar. O balcão com cerca de dez filas de cadeiras. Resultado, ambiente acolhedor e uma proximidade dela como não é comum.


A actuação da Suzanne. Soberba, fantástica...
Uma intimidade com o público maravilhosa. Conversa que só um tipo de sala como esta permite. Contava a história por trás de cada canção. Contava histórias da vida dela relacionadas com as próprias canções. Perguntava... E agora que querem ouvir? O público respondia e ela e a banda tocavam. Cada música que ouvia lembrava-me de episódios da minha vida :) que foram acompanhados por essas canções.
As canções do novo CD soaram marvilhosamente ao vivo. O album é dedicado a NY daí Beauty and Crime. Zephyr and I, Ludlow Street, Frank and Ava (esta 5 estrelas), As you are now, Aniversary. Faltou o Unbound do novo CD.
Dos clássicos In the eye, Cracking, Some Journey, Marlene on the Wall, Tom´s Dinner, In Liverpool, Luka, Gypsy, The Queen and the Soldier, Rosemary. Novos arranjos para Left of Center and Blood Makes Noise. Para mim faltou Solitude Standing.
Quase 2 horas de concerto que não vou esquecer.
Gostava de a voltar a ouvir. Desta vez num bar em NY. Acho que é o que me falta.
Deixo o post com Aniversary ao vivo.

terça-feira, 25 de setembro de 2007

Season 2 - Episode 8 - 2ª Parte

Ontem o final do dia foi qualquer coisa de muito giro.
Buscar o pessoal ao aeroporto, vir para a cidade de carro alugado, jantar no restaurante especial, boa conversa, bons amigos e uma boa surpresa.
Dizia a Joaninha...
Temos aqui um surpresa para ti...
E eu longe de imaginar o que era.
Foi quando vi uma caixa pequena e algo embrulhado em folha de alumínio.
Abri e senti logo o cheiro do...
Mil Folhas

O que eu me deliciei hoje ao pequeno almoço :)

segunda-feira, 24 de setembro de 2007

Season 2 - Episode 8 - 1ª Parte

Faz hoje precisamente dois meses que cheguei.
Hoje chega também a Joanhinha e companhia.

Bienvenu à Montréal :)

domingo, 23 de setembro de 2007

Desabafo #12

Hoje de repente lembrei-me deste filme e destas músicas.
É de 1986 - Tem 21 anos.
David Bowie no seu melhor.






Curiosamente parece que saiu uma edição comemorativa em DVD. Coisas do caraças :)

sábado, 22 de setembro de 2007

Season 2 - Episode 7 - 5ª Parte

De volta a Montréal.
De volta com uma ressaca enorme da festa de despedida de ontem.
Começam cedo acabam cedo, mas bebem bem :p.
Enfim, de volta à minha humilde casinha no Plateau.



De volta à rotina das compras e compras (porque nunca me lembro de comprar tudo à primeira e insisto em não fazer uma lista).
Cheguei à cerca de 5 horas e já vi mais gente hoje do que em três semanas na Nova Scotia.

É por isso que adoro viver aqui :).

terça-feira, 18 de setembro de 2007

Season 2 - Episode 7 - 2ª Parte

Lembram-se da gata pequena que fugia de mim a 7 patas?
Bom, parece que se rendeu ao meu charme e agora não me larga. Tipo sombra mesmo.
Hoje tive de dormir com a porta do quarto aberta para Sua Exa. poder sair e entrar.
Ontem tentava dormir de porta fechada e ela só miava e arranhava a porta para entrar.
Os felinos têm destas coisas.

segunda-feira, 17 de setembro de 2007

domingo, 16 de setembro de 2007

Season 2 - Episode 7 - 1ª Parte

Deep Roots 2007

Ontem fui à sessão nocturna (19:00-22:00h) do festival Deep Roots.
Muito giro, mas muito giro mesmo.
Grupos de folk e de blues de todo o Canadá a tocar aquilo que nós chamamos música tradicional e a imprimirem um ritmo à sala fabuloso.
Algumas questões de interesse:

i. Quem paga aos grupos para virem ao festial são estabelecimentos comerciais da vila. Por exemplo o grupo X é trazido pelo restaurante Y ou pela farmácia Z.
ii. Os residentes de Wolfville alojam os grupos nas suas casas, i.é., um grupo que participa no festival pode ficar alojado durante o festival na casa da familia O'Connor.
iii. É giro ver no final da sua actuação cada banda agradecer ao pub X e à familia Y.
iv. É espantoso ver as expressões de saudade e de felicidade dos mais idosos ao ouvirem este tipo de música.
v. A quantidade de pessoal mais novo (10-30) que assiste a este tipo de festival é assombroso. Não sei se vemos o mesmo tipo de envolvimento jovem na nossa música tradicional em Portugal.

O que mais gostei? De uma maneira geral não gosto de música cantada em francês e também julgava que música celta cantada em francês não era aquela. Mas neste festival, os Vishten do Canadá francófono tiraram-me do sério (foto abaixo). FABULOSO.
Claro que comprei o CD.

Entretanto encontrei este video deles no Youtube.

sábado, 15 de setembro de 2007

Tours, Expositions and Concerts - #5

Para uma terrinha que basicamente só tem uma rua digna de nome, a oferta semanal de actividades culturais é muito elevada.
Este fim de semana está a decorrer o Deep Roots Music Festival, que tal como o nome indica pretende relembrar aos habitantes da zona as suas raízes.
Consta que é um misto de música celta (a maioria dos habitantes daqui é de origem inglesa e irlandesa) e de folk canadiano.
Eu lá estarei hoje à noite para ver realmente o que é.
O que é certo é que o vilarejo se encheu de gente de todas as idades e a animação promete.


sexta-feira, 14 de setembro de 2007

Season 2 - Episode 6 - 2ª Parte

Hoje foi o dia da aula.
Em termos da aula em sí tudo normal.
Estudantes do último ano, professores do departamento (maioritáriamente geólogos), o Dean of Science, enfim.....uma comunicação convidada normalíssima.
O curioso é que estas aulas denominam-se "lunch time seminar" e eles levam o lunch time à letra.
Toda a gente vem com o seu almoço e enquanto se está a falar eles vão almoçando. Felizmente que é tudo a base de sandes e fruta. Imagino se fosse o meu colega de gabinete em Portugal. Era um cheiro a guisado que não se podia :).
O pior é que nós que estamos a falar não podemos almoçar também.
E eu ao meio dia e meia já estava com muita fome.
Já não sei se salivava da fome ou dos nervos... Enfim foi muito giro.
As perguntas foram softs mas os geólogos teimam em complicar as coisas um bocadinho.
No final houve café e bolos e ofereceram-me uma caneca da Universidade.
Foi um bom final de semana.


P.S. Confesso que já sinto falta de Montréal

quarta-feira, 12 de setembro de 2007

Desabafo #10

Em Lisboa de 5 a 13 de Outubro.


Preparem-me as caldeiradas, os bifes com batatas fritas, os mil folhas, os jantares de peixe no meco, o pão quente com manteiga, o fondue do Barreiro, a carne da Brasserie, a cataplana de cherne da SM, os pastéis de massa tenra do Saldanha, o café.....

Preparem-me a praia e o mar.

Preparem-me uma boa semana de férias.

terça-feira, 11 de setembro de 2007

domingo, 9 de setembro de 2007

Season 2 - Episode 6 - 1ª Parte

Ontem houve novamente barbecue mas desta vez em casa do meu colega Nelson.
Havia mais um casal convidado. Parece que foram estes últimos que os ajudaram a instalar em Wolfville à cerca de 3 meses atrás.
Ele esloveno e ela canadiana.
Salmão assado regado com maple leave syrup. Estava fantástico.
No entanto o melhor da noite estava ainda para vir.
A conversa puxa sempre para o lado das nossas vidas pessoais e foi desta forma que descobri que o Nelson conheceu a esposa num bar onde ela cantava música folk. Depois começaram a tocar e a cantar juntos, casaram e esses momentos ficaram em standby.
Depois de muita insistência minha e do outro casal conseguimos convencê-los a tocar e cantar.

Por muitos anos que viva não vou esquecer aquela hora que passei a ouvi-los. A mulher tem uma voz...... Qual Laurie Anderson, qual Suzanne Vega qual o que quer que seja.
Não vou esquecer aquele pedaço de noite.
Claro que me pediram para tocar e cantar músicas populares portuguesas, mas achei por bem estar sossegado.

sábado, 8 de setembro de 2007

Season 2 - Episode 5 - 5ª Parte

Finalmente consegui apanhar em foto os meus novos companheiros de casa.
Ele (o preto e branco) é muito simpático. Ela é velhota e quer é distância.
Existe mais uma pequenita de 4 meses mas quando me vê foge a 7 patas :).
Enfim, dá para matar algumas saudades do Jota.


sexta-feira, 7 de setembro de 2007

Desabafo #9

Um colega meu mandou-me este site onde podemos representar no mapa mundo os paises que já visitamos.
E mais, ele conta-os o que nos poupa uma grande trabalheira.
É engraçado.
O meu mapa ficou assim:


Ao observar o mapa cheguei a duas brilhantes conclusões:

1ª Nunca estive em Africa, o continente mais perto do meus pais, mas ja fui ao outro lado do mundo. Uma ida a Marrocos resolvia isto.... :p
2ª Se eu for à Rússia e à China, o hemisfério norte do mapa fica praticamente todo preenchido. Cool. Tenho de tratar disso.

quinta-feira, 6 de setembro de 2007

Season 2 - Episode 5 - 4ª Parte

O que ando para aqui a fazer na Nova Scotia?

É uma boa pergunta. Porque saiu este gajo da cosmopolita cidade de Montréal e foi passar três semanas à rural Nova Scotia.
A primeira parte da resposta é porque vim ajudar um colega meu canadiano a iniciar o seu trabalho em Acadia.
A segunda parte é porque vou fazer uns trabalhos na Baia de Fundy.

Baia de Fundy? Que tem de especial?
A Baia de Fundy fica situada na parte nordeste do golfo do Maine. Apanha parte do estado do Maine (US) e as províncias canadinas de New Brunswick e Nova Scotia.
É conhecida por ter as maiores marés do mundo e como tal a maior diferença na altura da maré entre a maré baixa e a mará alta. A diferença entre a maré baixa e alta é em média de 16m. O recorde foi atingido em 1869 com 22 metros. Quando a maré recua deixa uma superficie de 5km a descoberto. É espantoso. Pude ver isso hoje. E o mais incrivel... quando começa a encher, em 15 minutos já tens água a surgir junto às margens. Impressionante.



Curiosidade: O nome da Baia foi dado por um navegador português no século XVI que a chamou de "Rio Fundo".


P.S. Hoje voltei a ver o mar... que saudades.

quarta-feira, 5 de setembro de 2007

Desabafo #8

Amsterdam Arena - 4 de Setembro 2006

Fez ontem um ano.
Um dos concertos da minha vida.
Que saudades.......

video

Season 2 - Episode 5 - 3ª Parte

Pois é.....
Aqui estou eu.
Não diria no Canadá profundo mas quase.
Nesta vila (Wolfville, NS) vivem três mil habitantes. Quando começa o ano lectivo chegam quatro mil estudantes, o que faz com que a população mais que duplique. Isto aconteceu no dia em que cheguei. Estava o caos.
Mas é uma vila espectacular e está rodeada de bosques e parques. Ao fundo vê-se a Baia de Fundy.
As pessoas são fantásticas.
A Universidade não tem nada a ver com as nossas. Parecem casinhas (umas maiores outras mais pequenas) espalhadas por todo o lado (Scenarios proximamente).
A minha primeira impressão foi: Acho que tinha gostado de estudar aqui.
Parece que Acadia é uma das dez melhores universidades do Canadá.
O trabalho teima em arrancar mas a aulas também só começam amanhã (com um barbecue) e eu ainda n fiz nada :p.
Felizmente só actuarei na próxima semana :).